Sal da Figueira da Foz/Flor de Sal da Figueira da Foz

Descrição: Designa-se por “Sal da Figueira da Foz” e “Flor de Sal da Figueira da Foz” o sal marinho obtido por colheita manual, a partir do processo natural de precipitação da água do Oceano Atlântico, constituído por água, cloreto de sódio e outros sais minerais e oligoelementos, exclusivamente provenientes da água do mar. Trata-se de um sal marinho não refinado, não lavado após colheita e sem aditivos. Apresenta-se sob a forma de “Sal da Figueira da Foz” (cristais de sal de forma cúbica, incolores e transparentes, de sabor salgado característico) ou sob a forma de “Flor de Sal da Figueira da Foz” (pequenos cristais, alguns dos quais dispostos em palhetas, frágeis e fáceis de desfazer com os dedos e que flutuam na superfície da água dos cristalizadores).

Sal de Aveiro

Descrição: Designa-se por “Sal de Aveiro” e “Flor de Sal de Aveiro” o sal marinho obtido por colheita manual, a partir do processo natural de precipitação da água do Oceano Atlântico. Trata-se de um sal marinho não refinado, não lavado após colheita e sem aditivos. Ambos os produtos caracterizam-se por serem limpos e isentos de impurezas, com cor branca e brilhante e aroma a violeta. O “Sal de Aveiro” tem uma forma irregular e cristais grossos, homogéneos e compactos que não se partem facilmente com os dedos. A “Flor de Sal de Aveiro” é composta por pequenos cristais, alguns dos quais dispostos em palhetas, frágeis e fáceis de desfazer com os dedos.

Sal de Castro Marim

Descrição: Designa-se por “Sal de Castro Marim” e “Flor de Sal de Castro Marim” o sal marinho obtido através de colheita manual, a partir do processo natural de precipitação da água do oceano atlântico, constituído por água, cloreto de sódio e outros sais minerais e oligoelementos, exclusivamente provenientes da água do mar. Trata-se de um sal não refinado, não lavado após colheita e sem aditivos. Dependendo das condições de formação e do modo de colheita, apresenta-se sob a forma de “Sal de Castro Marim” (cristais de sal de forma cúbica, incolores e transparentes, de sabor salgado característico) ou sob a forma de “Flor de Sal de Castro Marim” (pequenos cristais, alguns dos quais dispostos em pequenas lâminas e que flutuam na superfície da água dos cristalizadores).

Sal de Rio Maior /Flor de Sal de Rio Maior

Descrição: Designa-se por “Sal de Rio Maior” e “Flor de Sal de Rio Maior” o sal de fonte salina obtido através de colheita manual, a partir do processo natural de precipitação de águas salinas subterrâneas, constituído por água, cloreto de sódio e outros sais minerais e oligoelementos, exclusivamente provenientes dessa água. Trata-se de um sal não refinado, não lavado após colheita e sem aditivos. Dependendo das condições de formação e do modo de colheita, apresenta-se sob a forma de “Sal de Rio Maior” (cristais de sal de forma cúbica, incolores e transparentes, de sabor salgado característico) ou sob a forma de “Flor de Sal de Rio Maior” (pequenos cristais, alguns dos quais dispostos em pequenas lâminas e que flutuam na superfície da água dos cristalizadores).

Sal de Tavira / Flor de Sal de Tavira DOP

Descrição: Designa-se por Sal de Tavira / Flor de Sal de Tavira DOP, o sal marinho colhido manualmente nas salinas de Tavira, obtido a partir de água do Oceano Atlântico. Trata-se de sal marinho não refinado, não lavado após colheita e sem aditivos. O produto apresenta-se comercialmente sob a forma de “Sal de Tavira” (cristais de forma flocular e cúbica que se desfazem, até um determinado ponto, apenas com a mão) ou de “Flor de Sal de Tavira” (bem mais frágil à fricção, é constituída por lamelas finíssimas que ao mínimo contacto com a mão se desfazem em cristais muito pequenos e leves).