Produtos Tradicionais Portugueses

Produtos Tradicionais Portugueses

Sopa dos Ossos da Cabeça do Porco

Sopa dos Ossos da Cabeça do Porco

Descrição (dimensões, cor, aroma, textura): Sopa consistente, de cor clara. 

Características particulares (sinais que evidenciam a singularidade do produto): Sopa confecionada com os ossos da cabeça do porco, cuja febra gelatinosa que envolve os ossos, depois de cozida, lhe dá um gosto macio.

Espécies, variedades ou raças (dos animais associados): Informações complementares sobre espécies, variedades, raças (técnicas de maneio – transumância; técnicas de recolha – arte xávega; apanha da lampreia, recolha do mel; etc; ofícios; acessórios; alimentação; produtos que derivam): porco, muito utilizado na alimentação da população de Vagos.

Ligação à paisagem natural: A sua confeção tem por base os produtos oriundos da agricultura local.

Ingredientes utilizados: Batata, couve, cenoura e ossos da cabeça do porco.

Modo de preparação: De véspera, deixar numa bacia de água temperada com sal, os ossos, de modo a que estes percam o sangue.
Depois, cozer os ossos, em água abundante, até a febra, que os envolve, se solte.
De seguida, côa-se a água da cozedura, para retirar todos os ossos e falhas que se possam encontrar no caldo.

Saber fazer: Leva-se esse caldo ao lume a que se junta batata e cenoura, para esmagar, com o garfo, depois de cozidas. Acrescentar couve portuguesa, esfarrapada e um pouco de massa meada.
Depois de tudo cozido, juntar a carne desfiada e servir quente.

Nota: De acordo com o gosto de cada um, esta sopa pode ficar mais ou menos consistente, acrescentado, inicialmente, mais água ao caldo proveniente da cozedura dos ossos.

Formas de comercialização: Não se comercializa. Apenas é confecionado pelas famílias, individualmente.

Disponibilidade do produto ao longo do ano: Encontra-se nos talhos.

Historial do produto: A sopa dos ossos da cabeça era confecionada, em todas as matanças do porco, no dia a seguir à desmanchadela do mesmo (3º dia). Era comida à noite, por toda a família, convidados e o “matador”.

Representatividade na alimentação local: Nos dias de hoje, é consumida nas casas de tradição rural e em situações de recriação da “matadela do porco”.

Disponibilidade do produto (em extinção, oferta contínua, recuperação): Oferta contínua.

Área geográfica de produção: Concelho de Vagos e locais limítrofes

Fonte: Confraria Gastronómica As Sainhas de Vagos