Bacalhau à Braga
Tags: Norte

Descrição: O Bacalhau à Braga, também denominado de “Bacalhau à Narcisa”, “Bacalhau à Minhota” ou “Bacalhau à Moda do Minho”, é um prato confecionado com postas ou lombos de bacalhau frito acompanhadas com batatas fritas e cebolada.

Características particulares: Prato de bacalhau frito, servido com azeite abundante, batatas fritas às rodelas e cebolada.

Região: Minho.

Ingredientes utilizados: Bacalhau, batata, cebola, azeite, sal, alho, colorau ou pimentão-doce, pimenta, cravinhos-da-índia, louro.

Modo de preparação: Depois de demolhadas as postas de bacalhau, estas são fritas em azeite numa frigideira. Cortam-se as batatas às rodelas de espessura média e fritam-se. Numa outra frigideira, coloca-se o azeite (pode aproveitar-se o azeite da fritura do bacalhau), a cebola cortada às rodelas, os condimentos a gosto, e leva-se ao lume até que a cebola cozinhe. Coloca-se o bacalhau numa travessa, dispõe-se as batatas à volta, cobre-se com a cebola e rega-se com o azeite utilizado na preparação da mesma.

Saber fazer: Bacalhau demolhado no ponto (textura e sal), bem como fritar o bacalhau (posta inteira).

Formas de comercialização: Restaurantes.

Disponibilidade do produto ao longo do ano: Durante todo o ano.

Historial do produto: Este prato celebrizou-se através do restaurante Narcisa, aberto em 1930 na cidade de Braga. Contudo, a sua origem poderá ser ainda mais antiga. Com efeito, Alfredo Saramago, no seu livro “Cozinha do Minho” (2000) aponta a existência de receita similar no caderno de refeitório do Mosteiro de Tibães, no ano de 1893.
Na sequência da fama alcançada, esta receita foi adotada por vários outros restaurantes da cidade e da região, passando a ser disponibilizada também com o nome de “Bacalhau à Braga”. Conforme foi ganhando destaque no resto do país, surgiram outras denominações para este prato, tais como “Bacalhau Minhoto”, “Bacalhau à Minhota” ou “Bacalhau à Moda do Minho”.

Representatividade na alimentação local: presença obrigatória na gastronomia do Minho e também no resto do país.

Fonte: DGADR, com base em elementos cedidos pela Câmara Municipal de Braga e no livro “Cozinha do Minho”, Alfredo Saramago, 2000, Assírio & Alvim.

Foto: Câmara Municipal de Braga