Produtos Tradicionais Portugueses

Produtos Tradicionais Portugueses

Torresmos

Torresmos

Descrição: Carne de porco, entrecosto, toucinho e fígado de porco, temperados com alho, sal, pimenta da terra (malagueta) e vinho branco, que são cozinhados 24 h depois de temperados, até desaparecer toda a gordura.

Região: Região Autónoma dos Açores.

Outras denominações: Torresmos em Molho de Fígado.

Particularidade: Pedaços de carne de porco, cozinhados na sua própria gordura até ficarem secos.

História: Tanto os Torresmos como o Bolo de Pé de Torresmos fazem parte da tradição açoriana, sendo citados em várias revistas que tratam de etnografia e tradição. Assim, podem ser encontradas referências tanto aos Torresmos corno ao Bolo de Pé de Torresmos nos boletins do CRCAA. Também em A Matança se citam quadras populares dos Açores das quais retiramos a seguinte: «Ei já vejo luz acesa / nada tenho que dezer / Torresmos, vinho na mesa / P'ra se comer e beber».

Uso: Os Torresmos fazem parte da festa das matanças; são feitos no dia da desmancha do porco e são comidos quentes pelas pessoas que se juntam para ajudar na matança. O que sobra é guardado em boiões de barro, coberto com banha, podendo conservar-se durante um ano. Os Torresmos também se comem sob a forma de torresmos em molho de fígado, prato preparado com entrecosto, fígado cortado aos bocadinhos e torresmos, temperados com vinho branco, sumo de limão galego e de laranja, calda de pimenta e torresmos de vinha-d'alhos que se preparam com costeletas de porco e torresmos brancos (torresmos mais gordos). Servem também para fazer o tradicional Bolo de Pé de Torresmos que é uma espécie de pão feito com farinha de milho, leite, açúcar e, por vezes, canela e com torresmos na massa. Em S. Miguel é rara a cozedura de pão de milho em que se não faça, pelo menos, um Bolo de Pé de Torresmos. É bastante seco e levemente torrado, sendo comido pelas populações rurais como sobremesa. Um ditado de S. Miguel refere: «Dia de cozer, dia de roer.»

Saber fazer: As carnes são temperadas, ficando 24h no tempero. No dia seguinte, a mistura vai ao lume (por vezes, ainda, em panelas de ferro com três pés), temperando-se com louro, cravinho, canela e pimenta preta. O toucinho e as carnes gordas derretem e ficam só os bocados de carne e de fígado.

Fonte: Produtos Tradicionais Portugueses, Lisboa, DGDR, 2001