Produtos Tradicionais Portugueses

Produtos Tradicionais Portugueses

Fatias de Tomar

Fatias de Tomar

Descrição: Como o seu nome indica, apresentam a forma de fatias de pão. Têm uma consistência macia e húmida. As fatias são feitas com gemas de ovos batidas que, após cozedura, são embebidas num xarope de açúcar. Comercialmente apresentam-se embaladas em boiões de vidro, hermeticamente fechados.

Região: Lisboa e Vale do Tejo.

Outras denominações: Fatias da China.

Particularidade: Este doce apresenta um aspeto semelhante a fatias de pão amarelinho e molhado, devido ao tipo de embebimento na calda de açúcar e à sua cozedura, efetuada numa panela de chaminé muito típica.

História: O receituário das Fatias de Tomar teve origem no Convento dos Templários, sendo um doce conventual por excelência. José Quitério destaca as Fatias de Tomar do conjunto de doces tomarenses, referindo que “…mais que isto e mais que tudo, são as Fatias de Tomar, outrora designadas Fatias da China, mas desde sempre adstritas ao burgo templário. Uma criação excecional pela simplicidade de elementos e de meios”. O local e a data de nascimento das Fatias de Tomar são desconhecidos mas a primeira referência com este nome aparece na Arte de Cozinha de João da Mata, em 1876. Na obra O Doce... nunca amargou, de Emanuel Ribeiro, de 1928, refere-se que este doce é uma especialidade da designada Região dos Templários-Tomar.

Uso: Bastante doces, são comidas geralmente como sobremesa ou a acompanhar um chá.

Saber fazer: As gemas, depois de separadas das claras, são batidas à mão durante uma hora. Deita-se a massa numa forma oval com tampo, cozendo em banho-maria a ferver durante uma hora. Depois de cozidas as fatias são cortadas e introduzidas em calda de açúcar a ferver, virando-se várias vezes. As panelas de folha utilizadas são munidas de chaminé, por onde se acrescenta água a ferver de modo a manter a forma mergulhada durante toda a cozedura. Estas panelas são, por si próprias, um produto característico e artesanal da região.

Fonte: Produtos Tradicionais Portugueses, Lisboa, DGDR, 2001