Produtos Tradicionais Portugueses

Produtos Tradicionais Portugueses

Broa de Loriga

Broa de Loriga
Tags: Centro

Descrição: Pão feito à base de farinha de milho branco, sal e fermento de padeiro.
Características particulares: Pão de milho branco, de formato redondo e ligeiramente achatado. Com uma crosta de cor amarelo-torrada e pouco gretada. Aspeto interior seco, poroso e de cor branca.

Região: Centro.

Ingredientes utilizados: Farinha de milho, sal, fermento e água.

Modo de preparação: Junta-se à farinha de milho, depois de peneirada, o sal dissolvido em água aquecida e de seguida o fermento, amassando-se muito bem. Depois de amassada, deixa-se a levedar cerca de duas horas. Molda-se a broa e leva-se ao forno muito quente.

Saber fazer: No processamento tradicional utilizavam-se “masseiras” de madeira para a sua preparação.

Formas de comercialização: Restaurantes e outros estabelecimentos comerciais.

Disponibilidade do produto ao longo do ano: Durante todo o ano.

Historial do produto: A Broa de Loriga encontra-se profundamente enraizada na história local. Foi consumida praticamente em exclusivo por mais de dois séculos, num contexto de atividade industrial crescente e intensiva. Os operários, população dominante, acumulavam o cultivo do milho, com a sua atividade na indústria. A broa para consumo doméstico da maioria das famílias era cozida em fornos comunitários, geridos por forneiras (arrendatárias ou proprietárias) que organizavam toda a tarefa de cozer o pão. Depois de amassada a broa, deitava-se um pouco de farinha por cima e benzia-se, formando uma cruz na massa para que fosse abençoada e entoavam-se “rezas” para que crescesse bastante no processo de levedação. As broas eram identificadas com sinais para se saber aquém pertenciam (nº de “beliscos” ou de buracos, ou até com objetos metálicos espetados na massa).

Representatividade na alimentação local: A Broa tem sido, ao longo dos tempos, um alimento de vital importância para Loriga e para os seus habitantes.

Fonte: DGADR, com base em elementos recolhidos no sítio da Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga.

Foto: Confraria da Broa e do Bolo Negro de Loriga