Produtos Tradicionais Portugueses

Produtos Tradicionais Portugueses

Cabrito do Alentejo IGP

Cabrito Alentejano

Descrição: A carne de Cabrito do Alentejo IGP, é obtida a partir de animais da raça Caprina Serpentina ou de cabrito proveniente de cruzamento com pai da Raça Serpentina. Diferencia‑se pela sua qualidade organolética, designadamente a palatibilidade, tenrura e suculência, sendo possível estabelecer uma correlação positiva com a concentração de ácido linoleico (CLA) presente na gordura do Cabrito do Alentejo IGP. Comercialmente, apresenta-se em carcaças inteiras, metades, quartos ou qualquer porção, refrigerada ou congelada, obrigatoriamente embaladas em cuvetes (exceto no caso das carcaças inteiras e metades) e rotulada.

Método de produção: A alimentação dos animais é efetuada sobretudo à base da vegetação espontânea existente nos baldios, incultos e pousios. Os cabritos são alimentados à base de leite materno, sendo abatidos antes do desmame, que ocorre entre os 30 e os 120 dias de vida. A carcaça deverá pesar entre 3,50 a 7,50 kg.

Características particulares: A qualidade específica da carne do Cabrito do Alentejo IGP está intimamente relacionada com a qualidade do leite materno. A qualidade do leite é resultante da dieta da mãe, que é variada e completamente natural.

Área de produção: A área de produção do Cabrito do Alentejo IGP engloba os distritos de Portalegre, Évora e Beja e parte dos concelhos de Grândola, Álcacer do Sal e zonas limítrofes.

História: As caraterísticas da raça Caprina Serpentina e as técnicas de maneio próprias da região do Alentejo, bem como a sua perfeita adaptação às condições agroecológicas aí existentes, contribuíram para que o Cabrito do Alentejo IGP se evidenciasse e diferenciasse pela especificidade da qualidade organolética da sua carne, estabelecendo‑se, ao longo dos tempos, como um valor gastronómico demonstrado, sobretudo nas duas épocas do ano em que tem maior consumo: Natal e Páscoa.

 

Marca de certificação
Marca CabritoAlentejo

Caderno de especificações (pdf)

Área geográfica

Agrupamento de produtores
APCRS – Associação Portuguesa de Caprinicultores de Raça Serpentina

Organismo de controlo e certificação
AGRICERT - Certificação de Produtos Alimentares, Lda.

Publicações no Jornal Oficial da UE
Regulamento de Execução (UE) n.º 1033/2012 da Comissão – L308/7 08.11.2012

Publicação em DR
Aviso n.º 9587/2005 (2.ª série), 10.10.2005 
Aviso n.º 11836/2006, 30.10.2006
Despacho n.º 26308/2009, 24.11.2009 

Caprina SerpentinaPadrão da Raça Caprina Serpentina
De acordo com o definido no Regulamento do Livro Genealógico, o caprino Serpentino é um animal com as seguintes características:

Aspeto Geral – A raça serpentina define-se como dolicocéfala, eumétrica, de perfil reto, mediolinea, tipo de constituição robusta e muscular.
Pelagem – branca ou creme. Tem listão preto que, por vezes, se alarga na parte posterior, desde a região sagrada até á cauda, e em alguns casos de forma pronunciada. O ventre é preto assim como a parte interna das orelhas, a face, o focinho e a extremidade dos membros, a partir do joelho e do curvilhão. A pele é grossa e elástica, com pelo curto e brilhante nas fêmeas, sendo mais espesso e comprido nos machos, sobretudo no dorso.
Cabeça – Grande de tipo dolicocéfala. Fronte larga e bastante convexa. Chanfro retilíneo. Orelhas grandes semipendentes. Barba nos dois sexos, mas mais reduzida nas fêmeas. Cornos largos e juntos na base, dirigidos para cima e para trás, divergentes nas extremidades e, sensivelmente espiralados.
Caprina Serpentina 2Pescoço – médio e bem musculado, mais grosso nos machos e com grande desenvolvimento no terço anterior. Brincos, frequentemente, em ambos os sexos.
Tronco – Bem desenvolvido, sendo amplo e profundo, sobretudo nos machos. A cruz é ligeiramente destacada, com a linha dorso lombar quase horizontal. A garupa é curta e descaída. Abdómen não muito volumoso. Cauda curta e ereta, com inserção alta.
Úbere – De tamanho médio, em forma de bolsa com tetos bem diferenciados e de tamanho variado.
Membros – Fortes, compridos, com articulações volumosas e secas. Unhas de tamanho médio, duras, com boa base de apoio
Peso vivo – adulto: Machos – 60 a 75 kg; Fêmeas – 45 a 60 kg.

Fonte:
APCRS – Associação Portuguesa de Caprinicultores da Raça Serpentina
Ruralbit – Fotografias de Raças Autóctones
Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV)