Produtos Tradicionais Portugueses

Produtos Tradicionais Portugueses

Presunto do Alentejo, Paleta do Alentejo DOP

Presunto do Alentejo, Paleta do Alentejo PDO

Descrição: O Presunto/Paleta do Alentejo DOP é obtido a partir dos membros posteriores ou anteriores de porcos de raça alentejana, respetivamente. O seu peso é superior a 5 kg (presunto) ou a 3,5 kg (paleta). O Presunto/Paleta do Alentejo DOP pode ser comercializado inteiro, em pedaços ou fatiado, com ou sem osso.

Método de produção: Os porcos, criados maioritariamente ao ar livre, são abatidos entre os 12 e os 24 meses. O processo de transformação, baseada em métodos derivados do saber fazer das populações locais, passa pelas etapas de corte, salga, lavagem, pós salga (enxugo), secagem/maturação e envelhecimento. É durante este processo que os presuntos e as paletas adquirem lenta e progressivamente o aspeto, a cor, o aroma e a textura que os tornam especiais e únicos.

Características particulares: O Presunto/Paleta do Alentejo DOP apresenta um sabor suave, delicado, pouco salgado, persistente, agradável, por vezes com um travo ligeiramente picante.

Área de produção: A área geográfica de criação dos porcos e de produção de Presunto/Paleta do Alentejo DOP engloba a generalidade dos distritos de Beja, Évora e Portalegre e parte dos distritos de Castelo Branco, Faro, Guarda, Santarém e Setúbal.

História: A produção de Presunto/Paleta do Alentejo DOP insere-se no conjunto de práticas regionais ancestrais relacionadas com a criação de porcos e com o aproveitamento das suas carnes. De facto, já Catão recomendava o presunto alentejano, feito lá para o mais longínquo ocidente. Ao longo dos séculos estas práticas assumiram grande importância em termos económicos, contribuindo para assegurar a sustentabilidade da região e das suas populações.

Caderno de especificações (pdf)

Área geográfica

Agrupamento de produtores
ACPA - Associação de Criadores de Porco Alentejano

Organismo de controlo e certificação
AGRICERT, Certificação de Produtos Alimentares, Lda

Publicação jornal oficial UE
Regulamento (CE) n.º 944/2008 da Comissão de 26.09.2008 - L 258/54

Porco AlentejanoPadrão da Raça Suína Alentejana

Aspeto geral – Corpulência médio-pequena, esqueleto aligeirado, grande rusticidade e temperamento vivo. Machos com testículos bem salientes e medianamente volumosos. Fêmeas com mamilos com número não inferior a 5 de cada lado.
Pele – Preta ardósia, com cerdas raras, finas e de cor preta ou ruiva.
Cabeça – Comprida e fina de ângulo frontonasal pouco acentuado, orelhas pequenas e finas, de forma triangular, dirigidas para a frente e com a ponta ligeiramente lançada para fora.
Pescoço – De comprimento médio e musculado.
Porco AlentejanoTronco – Região dorso-lombar pouco arqueada, garupa comprida e oblíqua, ventre descaído, cauda fina de média inserção e terminada com um tufo de cerdas.
Membros – De comprimento médio, delgados e bem aprumados, terminando por pés pequenos e unha rija.
Variedades: Lampinha; Ervideira; Caldeira; Mamilada

Fontes:
ACEPA – Agrupamento Complementar de Empresas do Porco Alentejano:
ACPA – Associação de Criadores de Porco Alentejano
ANCPA – Associação Nacional dos Criadores de Porco Alentejano