Cereja do Fundão IGP

Descrição: Entende-se por "Cereja do Fundão" o fruto proveniente de cerejeira (“Prunus avium L.”) que tem como principais características:
- Calibre igual ou superior a 24 mm;
- Consistência com índice Durofel igual ou superior a 60;
- Coloração entre o índice 2 e o 6 da tabela de coloração do CTIFL;
- Conteúdo de sólidos solúveis iguais ou superior a 12º Brix.

 Método de produção: As cerejas devem apresentar, à data da colheita, as características específicas que permitem a sua certificação como “Cereja do Fundão”, pelo que a data de realização desta operação deve ser definida mediante a monitorização dos parâmetros: calibre; índice de Dureza Durofel; índice de coloração (com base na tabela de cores CTIFL) e conteúdo em sólidos solúveis. Devem ainda ser tidos em consideração vários cuidados de colheita, nomeadamente os frutos devem ser colhidos sãos, em estado de maturação adequado e homogéneo, com pedúnculo e sem folhas e devem ser manuseados com o máximo cuidado, de forma a evitar danos mecânicos.

Características particulares: A “Cereja do Fundão”, graças às suas características, goza de grande notoriedade e reputação, assumindo uma importância agrícola, económica e gastronómica que a tornam num dos principais ex-libris da região.
A área geográfica de produção da “Cereja do Fundão” proporciona condições edafoclimáticas muito favoráveis ao desenvolvimento desta cultura. O elevado número de horas de frio durante o inverno (importante para assegurar uma adequada quebra da dormência, a homogeneidade da floração e boas taxas de vingamento), as primaveras amenas, a proteção dos ventos, os solos graníticos e de xisto de encosta, conjugados com o saber-fazer dos produtores locais, dão origem às características da “Cereja do Fundão” que estão na base da sua reputação e notoriedade.

Área de produção: A área geográfica de produção da “Cereja do Fundão” é circunscrita à totalidade do concelho do Fundão e às freguesias limítrofes a Sul, Louriçal do Campo e Lardosa (concelho de Castelo Branco), e a Norte às freguesias de Ferro e Peraboa (concelho de Covilhã).

História: A presença da cultura na região e a reputação da cereja aí produzida estão documentadas desde há séculos, mantendo-se ininterruptas até aos dias de hoje. Em 1845, em carta publicada na Revista Universal Lisbonense, Fernando Ornellas referia que “colhemos (…) fructas do mais exquesito gosto; como são peras, maçãs, ginjas garrafaes, cerejas, e ameixas nos concelhos de Alpedrinha, Fundão e Covilhã”. Em 1848, na publicação Orologia da Gardunha, José Inácio Cardoso menciona a presença de pomares de cerejeira nas “povoações” de Alcaide, Donas, Fundão, Souto da Casa, Vale de Prazeres e Castelo Novo, hoje pertencentes ao concelho do Fundão. Em 1915, em artigo publicado na revista Broteria - Série de vulgarização scientífica, refere-se que, apesar de serem produzidas cerejas um pouco por todo o país, “as de maior nomeada são quiçá as do Fundão”. Em 1941, o Boletim da Junta Nacional das Frutas dá conta de a cereja do Fundão ser vendida em Lisboa pelo preço médio de três escudos por quilograma. Em 1987, a revista Beira Alta elogia no Fundão “a fruta carnuda e sumarenta de seus pomares ensoalhados, abençoados por Deus, onde a cereja é rainha incontestada”. O Diário da Assembleia da República relativo à sessão de 23-06-1994 a propósito da elevação da povoação do Ferro a vila, dá conta de nesta povoação, confinante com o concelho do Fundão, dada a sua situação geográfica privilegiada, se produzirem várias culturas, entre as quais a cereja, cuja qualidade é reconhecida por todo o País.

Caderno de especificações (pdf)

Agrupamento de produtores
CERFUNDÃO – Embalamento e Comercialização de Cerejas da Cova da Beira, Lda

Publicação em DR
Despacho n.º 2337/2019 - 08.03.2019