Capão de Freamunde

Descrição: Capão de Freamunde IGP é o produto proveniente das estirpes de crescimento lento do tipo Atlântico do grupo étnico Gallus domesticus, castrada antes de atingir a maturidade sexual, que se destina exclusivamente à produção de carne de qualidade e que é criado desde os primeiros dias na área geográfica adiante delimitada. De acordo com as especificações do produto podem ser usadas as raças tipicamente portuguesas, existentes na zona norte de Portugal, nomeadamente, as raças Pedrês Portuguesa, Preta Lusitânica e Amarela. Apresenta-se comercialmente nas seguintes formas: vivo, devidamente identificado, em carcaça, devidamente acondicionado e rotulado, sendo que a carcaça se apresenta sem penas nem cabeça, mas com o fígado e moela e em carcaça congelada.

Método de produção: de produção: As espécies vegetais utilizadas na alimentação do Capão de Freamunde IGP e que constituem a base da sua alimentação são provenientes da região. São estas, o milho e variedades de gramíneas e infestantes Holcus mollis, Lolium multiflorum e Plantago lanceolata L. A partir das cinco semanas há acesso contínuo dos animais, durante o dia, às pastagens ao ar livre, cobertas de vegetação. Desde a castração, entre os 3 e os 4 meses, até ao abate ou comercialização do animal vivo, a administração ad-libitum dos capões tem que conter, pelo menos, 80% de milho amarelo ou branco, partido ou inteiro, sendo os restantes alimentos farinhas oriundas da panificação, couve-galega, vegetação espontânea e sementes de cereais.

Características particulares: O Capão de Freamunde IGP resulta exclusivamente da utilização de estirpes e raças de crescimento lento, sendo os animais castrados de forma cuidadosa e criados em liberdade, com uma alimentação à base de pastagens naturais, complementadas com cereais, nos quais o milho é dominante. As carcaças distinguem-se pelo seu maior peso, pela sua coloração mais intensa, pelo peito largo, com grande abundância de massa muscular e pela sua pele fina e lisa. Após preparação culinária, as carcaças apresentam também claras diferenças em relação às aves comuns pela sua textura moderadamente tenra, ligeiramente pastosa e de grande suculência.

Área de produção: A área de produção de Capão de Freamunde engloba a totalidade do concelho de Paços de Ferreira, e parte dos concelhos de Lousada e Paredes.

História: O Capão de Freamunde é o ex-libris da freguesia de Freamunde. Nesta freguesia e zona envolvente vigora desde longa data o costume de castrar o galo ainda jovem para o tornar mais anafado e macio. Sabe-se que o hábito de capar aves e de as comercializar é muito antigo e, desde a Idade Média, era praticado na freguesia denominada na época de «Salvador de Friamunde…». É notório e evidente que ainda nos dias de hoje em Freamunde a realização da Feira dos Capões, capta muitos turistas. Esta feira, que já se realizava no séc. XV, coincide com a data em que a liturgia católica venera Santa Luzia, a protetora da visão. O Capão de Freamunde é, por tradição, consumido nos meses de inverno e constitui uma referência nos hábitos alimentares da zona de produção, atingindo o seu máximo durante a época natalícia. Nesta época é também oferecido como prenda, o que atesta o importante valor simbólico deste produto para as pessoas da região.

Marca de certificação
marca capao freamunde
Caderno de especificações (pdf)

Área geográfica

Agrupamento de produtores
Associação de Criadores de Capão de Freamunde

Organismo de controlo e certificação
SATIVA – Certificação de Produtos

Publicações no Jornal Oficial da UE
Regulamento (CE) nº 1107/96 da Comissão – L130/1 28.05.2015
Publicação do Documento Único – C2/3 7.1.2015

Publicação em DR
Aviso nº 4950/2011, de 18 de fevereiro 
Aviso nº 4881/2007, de 15 de março
 


Padrão da Raça de Galinhas Pedrês Portuguesa

Pedres Portuguesa 1 rdConforme definido no Regulamento do Livro Genealógico os animais da Raça Pedrês Portuguesa caracterizam-se morfologicamente do seguinte modo:

Aspeto Geral da Galinha – As mesmas características que no galo, tendo em conta as diferenças sexuais, nomeadamente o porte mais pequeno e correspondente menor peso. O pescoço é mais curto que no galo, o peito é saliente e largo mas menos que no galo, a cauda é mais fechada e as penas apresentam uma direção mais horizontal ligeiramente ascendente, a coloração da plumagem é mais uniforme, os tarsos são mais finos e com um esporão vestigial e a crista e os barbilhões são de menores dimensões que no macho. Diâmetro dos anéis: Galo: 17 mm, Galinha: 15 mm.
Plumagem – De aspeto mosqueado, matizado de cinzento-escuro em fundo branco, apresentando cada pena transversalmente barras regulares, estreitas, paralelas, mais ou menos da mesma largura e definidas, em que uma barra cinzenta escura alterna com uma barra branca ou cinzenta clara, formando no seu conjunto barras descontinuas.
Cabeça do Galo – Forte, larga, de comprimento médio; Cara rugosa, de cor vermelho vivo, glabra; Crista de tamanho médio, direita, firme, textura fina, de cor vermelho vivo, com cinco ou seis pontas (ou dentes), bem definidas; Bico de tamanho médio a grande, forte, meio curvo, de cor amarelo pálido; Olhos grandes, proeminentes, redondos, íris cor-de-laranja; Orelhas oblongas, tamanho médio, de cor vermelho vivo, glabras; Barbilhões de tamanho médio, ovalados, de cor vermelho vivo, glabros;
Pescoço – Levemente arqueado, bem proporcionado e com abundante plumagem (exceto na variedade “careca”) que cai sobre os ombros;
Pedres Portuguesa 2 rdTronco – De largura média, cilíndrico e ligeiramente inclinado para trás; Dorso arredondado, ligeiramente inclinado, com adornos no galo; Peito largo, profundo, proeminente, ligeiramente arredondado; Abdómen amplo e profundo; Cauda de comprimento médio, bem aberta, fazendo um ângulo de 135 graus com o dorso; as grandes e pequenas foices estão recurvadas em arco;
Extremidades – Asas de tamanho médio, bem unidas ao corpo; Coxas de tamanho regular, robustas, com abundante plumagem; Tarsos escamosos, moderadamente grossos, de cor amarelo pálido, com alguma pigmentação de cor ardósia escuro, desprovidos de penas; Dedos em número de quatro, rectos, finos, de comprimento médio;
Peso vivo – adulto: Galo: entre 2,600 e 3,000 kg Galinha: entre 2,200 e 2,700 kg.

Fontes:
AMIBA – Associação de Criadores de Bovinos de Raça Barrosã
Ruralbit – Fotografias de Raças Autóctones

Padrão da Raça de Galinhas Preta Lusitânica
Preta Lusitanica 1 rd
Conforme definido no Regulamento do Livro Genealógico os animais da Raça Preta Lusitânica caracterizam-se morfologicamente do seguinte modo:

Aspeto Geral da Galinha – As mesmas características que no galo, tendo em conta as diferenças sexuais, nomeadamente o porte mais pequeno e correspondente menor peso. Diâmetro dos anéis: Galo: 16 mm Galinha: 14 mm.
Plumagem – Totalmente negra, podendo apresentar reflexos ou brilho metálico azul esverdeados em determinadas zonas do corpo, nomeadamente nos adornos do galo, dorso, cauda e/ou asas.
Cabeça do Galo – Robusta, de tamanho e comprimento médios, larga; Cara de tamanho médio, levemente rugosa, de cor vermelho vivo; Crista de tamanho médio, direita, rugosa, de cor vermelho vivo; Bico de tamanho médio, robusto, meio encurvado, de cor ardósia escura; Olhos de tamanho médio, ligeiramente salientes; íris cor-de-laranja; pálpebras de cor vermelho vivo ou ardósia escuro.
Pescoço – Ligeiramente encurvado, bem guarnecido de plumagem (exceto na variedade “careca”).
Preta Lusitanica 2 rdTronco – De largura e comprimento médios, cilíndrico, levemente inclinado para trás; Dorso de largura média, arredondado e em ligeiro declive, apresentando adornos no galo; Peito de largura média, saliente, arredondado; Abdómen largo e profundo; Cauda de comprimento médio, bem aberta, com uma angulação de aproximadamente 135 graus em relação à linha do dorso. As grandes caudais (ou grandes foices) apresentam-se graciosamente encurvadas em semicírculo.
Extremidades – Asas de tamanho, comprimento e largura médios, bem unidas ao corpo e bem emplumadas; Coxas de tamanho regular e comprimento médio, robustas, com abundante plumagem; Tarsos escamosos, de comprimento médio, moderadamente grossos, de cor ardósia escuro, completamente desprovidos de penas; Dedos em número de quatro, retos, finos, de comprimento médio.
Peso vivo – adulto: Galo: entre 2,500 e 2,900 kg, Galinha: entre 1,700 e 2,300 kg.

Fontes:
AMIBA – Associação de Criadores de Bovinos de Raça Barrosã
Ruralbit – Fotografias de Raças Autóctones

Padrão da Raça de Galinhas Amarela
Amarela 1 rdConforme definido no Regulamento do Livro Genealógico os animais da Raça Amarela caracterizam-se morfologicamente do seguinte modo:

Aspeto Geral da Galinha – As mesmas características que no galo, tendo em conta as diferenças sexuais, nomeadamente o porte mais pequeno e correspondente menor peso, para além das diferenças notórias na coloração da plumagem atrás mencionadas.
O pescoço é mais curto que no galo; o peito é saliente e largo mas menos que no galo, a cauda é mais fechada e as penas apresentam uma direcção mais horizontal ligeiramente ascendente; os tarsos são mais finos e com um esporão vestigial e a crista e os barbilhões são de menores dimensões que nos machos. Diâmetro dos anéis: Galo: 16 mm Galinha: 14 mm.
Plumagem – Os galos desta raça evidenciam-se pela vivacidade e brilho da sua característica plumagem de cor castanho alaranjado escuro em fundo amarelo palha. Na cauda, as rectrizes e foices caracterizam-se pela sua cor negra azeviche, com peculiares reflexos e brilho metálico azul esverdeados. Nas asas, a extremidade das remíges primárias apresenta também esta coloração negra azeviche.
Amarela 2 rdCabeça do Galo – Forte e robusta, moderadamente grande; Cara de tamanho médio, ligeiramente enrugada, de cor vermelho vivo; Crista grande, do tipo dentado simples, com 5 ou 6 pontas bem definidas; Bico de tamanho médio a grande, forte e robusto, ligeiramente encurvado; Olhos de tamanho médio a grande, ligeiramente salientes, redondos; Orelhas oblongas, levemente pregueadas e enrugadas, de tamanho médio a grande; Barbilhões de tamanho médio a grande, lisos ou muito levemente enrugados.
Pescoço – De tamanho médio a comprido, levemente encurvado, bem guarnecido de plumagem (excepto na variedade “careca”).
Tronco – De largura e comprimento médios, cilíndrico, levemente inclinado para trás; Dorso de largura média, arredondado e em ligeiro declive em direção à cauda; Peito de largura média, proeminente, carnudo, ligeiramente arredondado até ao abdómen; Abdómen largo e profundo; Cauda de comprimento médio, bem aberta, com uma angulação de aproximadamente 135 graus em relação à linha do dorso.
Extremidades – Asas de tamanho, comprimento e largura médios, bem unidas ao corpo e bem emplumadas; Coxas de tamanho regular e comprimento médio;Tarsos escamosos (escamas largas), de comprimento médio; Dedos em número de quatro, rectos, finos, de comprimento médio.
Peso vivo – adulto: Galo: entre 2,300 e 3,100 kg, Galinha: entre 1,700 e 2,500 kg.

Fontes:
AMIBA – Associação de Criadores de Bovinos de Raça Barrosã
Ruralbit – Fotografias de Raças Autóctones